#RegulamentaBiotec – A Audiência é nossa

Depois de tantos #regulamentabiotec e união e persistência dos biotecnologistas, biotecnológos e engenheiros de bioprocessos e biotecnologia, é com grande prazer que anunciamos que faltam apenas DOIS DIAS para a Audiência Pública sobre o PL 3.747/2015, que regulamenta a profissão de Biotecnologia e cria os Conselhos Federais e Regionais de Biotecnologia. Vamos relembrar a trajetória ainda restante para a aprovação do PL?

Para aprovação na Câmara dos Deputados, o PL precisa passar por quatro Comissões Temáticas da Câmara e ser aprovado em todas elas. A Comissão na qual se encontra (Comissão de Seguridade Social e Família/CSSF) é a primeira. Nessa Comissão, o PL entrou em pauta e a Audiência Pública foi solicitada por um dos deputados que participará de sua votação. Tal Audiência é um momento no qual representantes envolvidos e entidades envolvidos com a PL, como a LiNAbiotec e o Ministério da Saúde (MS), são convidados a defender seu ponto de vista
sobre o assunto. Após a Audiência, o PL entra normalmente em tramitação e será votado pela Comissão. Assim, gostaríamos de esclarecer que, nesta ocasião, NÃO HAVERÁ VOTAÇÃO sobre o nosso projeto. Depois de passar pela primeira Comissão, o PL passará pelas três restantes e o processo se repete.

 

Dessa forma, gostaríamos de convidar a todos os interessados na causa, sobretudo
biotecnologistas, biotecnológos e engenheiros de bioprocessos e biotecnologia, a participarem
da Audiência! Sua presença é de extrema importância para demonstrarmos a força de nossa
classe.
O evento ocorrerá no dia 13/06, próxima terça-feira, às 16h30, na Câmara dos Deputados (DF), Anexo 11, Plenário 5. Informamos, também, que a LiNAbiotec foi convidada pela CSSF e nossa presidente, Gabriella Bruno Ribeiro, estará presente para defender e representar a nossa causa!

A audiência será transmitida AO VIVO, pelo site da Câmara dos Deputados, em link a ser divulgado posteriormente. Assista, divulgue e fique ligado em nossa page para novas notícias! Para mais informações, acesse: http://www2.camara.leg.br/atividade- legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cssf

Acompanhe a tramitação do PL 3.747/2015:
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2056525

Vote a FAVOR na enquete pública sobre o PL 3.747/2015:
https://forms.camara.leg.br/ex/enquetes/2056525

#VAMOSLOTAROPLENÁRIO!
#REGULAMENTABIOTEC


PL 3747/2015 e o #RegulamentaBiotec em 3 minutos!

A audiência contará com a presença de um representante do Ministério da Saúde; de um representante do Conselho Federal de Biologia (CFBio); e de um representante da Liga Nacional dos Acadêmicos de Biotecnologia para defenderem seus respectivos interesses sobre o assunto.

Por se tratar de um assunto que frequentemente foge do cotidiano dos ingressantes e egressos dos cursos voltados para Biotecnologia resolvi escrever esse texto paraesclarecer um pouco sobre o contexto e os tramites da PL 3747/2015 que “Regulamenta a profissão de Biotecnologista e cria os Conselhos Regionais e Federais”.

Ponto de partida

Após a consolidação da Liga Nacional dos Acadêmicos em Biotecnologia (LiNABiotec) e a organização de alguns fóruns de discussões virtuais, a Gestão 2014/2015 liderada até então pelo aluno Francisco Eder de Moura Lopes mobilizou esforços em parceria com professores da Universidade Federal do Ceará e escreveram um minuta que se tornaria o esboço do futuro projeto de lei. Após a movimentação estudantil dentro da universidade, em novembro de 2015 a minuta foi apresentada ao deputado Danilo Forte mediada pelo Reitor da Universidade no período. O projeto foi amparado pelo deputado que entrou como autor na Câmera dos Deputados em 25/11/2015. Em uma semana o projeto foi despachado para ser agraciado as Comissões de:

  • Comissão de Seguridade Social e Família ( CSSF );
  • Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público ( CTASP );
  • Comissão de Finanças e Tributação ( CFT );
  • Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania ( CCJC );

Contudo, durante UM ANO o Projeto de Lei simplesmente ficou PARADO no Congresso Nacional sem nem mesmo ter um relator – responsável por emitir pareceres sobre a PL – nomeado.

#RegulamentaBiotec

Diante desse cenário e as movimentações para a organização do II Encontro Nacional de Estudantes de Biotecnologia – NUCLEO’16 – a LiNABiotec lançou o #RegulamentaBiotec com o objetivo de pressionar as esferas legislativas para agilizar a tramitação da PL, culminando futuramente na sua aprovação.

1ª edição realizada em dezembro de 2016 resultou na nomeação do Dep. Luciano Ducci como relator da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF). Na 2ª ediçãoo deputado Luciano emitiu o 1º parecer com algumas observações no projeto. Após algumas idas e vindas, incluindo um oficio emitido pelo CFBio alegando ser contra o Projeto de Lei (!!!), o dep. emitiu seu ultimo parecer sendo FAVORÁVEL a aprovação da lei. A baixo segue um pequeno resumo dos pareceres e do #RegulamentaBiotec pra ajudar a vocês a se situarem!

Primeiro #RegulamentaBiotec para pressionar a nomeação de um relator.

Edição Relâmpago para enfatizar que o Biotecnologista é o profissional que segraduou em Biotecnologia, não quem trabalha com biotecnologia – em resposta a colocação errônea do Deputado Relator de que “biotecnologista é quem trabalha com biotecnologia, independente da formação”.

Ultimo – e favorável – parecer. Agora somente aguardando ser votado pela Comissão.

Resumo dos Pareceres

12/04/2017 – 1° parecer – Apresentação de emenda para Suprimir o art. 5º que “estabelece como atividade privativa do biotecnologista a representação direta de empresas de biotecnologia junto a órgãos ligados à saúde, à sanidade e ao meio ambiente” por se caracterizar como reserva de mercado.

10/05/2017 – 2º parecer – Apresentação de uma segunda emenda alterando e modificando os art. 3 e 4, respectivamente a partir das observações a cerca de quem poderá exercer a profissão de Biotecnologista de acordo com as exigências legais e as atividades que podem ser exercidas pelos Biotecnologistas (mais detalhes confiram o Interior da emenda).

06/06/2017 – 3º parecer – Com as próprias palavras do relator “Diante do exposto, o Voto é pela aprovação, no mérito, do Projeto de Lei nº 3.747, de 2015, com as emendas anexas.”

Audiência Pública – um passo para o reconhecimento

Antes de ser votado pela atual Comissão, a pedido do deputado Mandetta (DEM) – que é membro da Comissão de Seguridade Social e Família – uma audiência pública foi agendada porque, segundo o deputado, existem algumas lacunas que merecem ser discutidas e esclarecidas. Nada mais oportuno que a realização de uma audiência pública para sanar os questionamentos, ouvindo as diversas partes interessadas no assunto”.

O Projeto de Lei 3747/2015 ainda precisa percorrer um longo caminho – passando pela aprovação de todas as comissões e por votação no Senado para só então ser sancionado pelo presidente (!) – mas eu acredito que depois desse mega resumo tenha ajudado a todos que tinham desconhecimento sobre esse assunto para que dia 13 de junho mostremos a força da nossa luta no Congresso Nacional!

POR UMAS BIOTECNOLOGIA UNIDA, FORTE E ATUANTE

Créditos a Luana Dantas, conselheira do Polo UnB e autora da notícia.


Biotecnologia nas Escolas – Polo UFAM

No dia 28 de março, ocorreu uma atividade no Colégio Dom Bosco, que
faz parte do projeto de divulgação da biotecnologia nas escolas, que tem por objetivo atrair mais discentes para curso de biotecnologia que vem crescendo e se consolidando a cada ano, além de apresentar a ampla área de atuação para os biotecnólogos também demonstrando a importância do curso para o desenvolvimento cientifico.

No Colégio Dom Bosco foram desenvolvidas atividades como: palestras
informativas sobre biotecnologia e sua importância no agronegócio, indústria de cosméticos e indústria farmacêutica também foi apresentado sobre os principais organismos e microrganismos estudados pelos profissionais da área,
além de expor o que é a LiNAbiotec, qual seu objetivo, quais são os polos da Liga existentes.


Conjuntamente foi exibido sobre o Núcleo 18 e sua importância na integração do conhecimento e dos profissionais da área, além de apresentar sobre o iGEM. Com o intuito de ter um teor mais interativo, também foram levados microscópios para a visualização de lâminas de tecidos vegetais, de coração e estômago de rato, de bactérias e fungos. Para a visualização macroscópica foram levadas placas de petri com os microrganismos
desenvolvidos. O público alvo foi formado por alunos do ensino médio e ao final do
evento, mostraram-se satisfeitos com as apresentações, tendo sido cativados a maioria dos envolvidos.


IV Semana de Biotecnologia da Universidade Federal da Bahia

Aconteceu entre os dias 20 e 24 de março, na cidade de Vitória da Conquista – BA, a quarta semana de Biotecnologia da Universidade Federal da Bahia. Com o tema “conectando o futuro à sociedade”, o evento buscou trazer, além de palestras sobre temas atuais e relevantes aos profissionais biotecnologistas, uma série de outras atividades, como mesas redondas e discussões sobre o papel da ciência produzida por estes e outros profissionais, também mostrando o impacto científico na sociedade que é, sobretudo, a maior interessada e – nas instituições públicas de pesquisa – a principal financiadora. 

Foram abordados nas palestras o panorama da biotecnologia no Brasil de hoje, a influência da universidade e das descobertas científicas no modo de vida das sociedades contemporâneas e a sua divulgação para fora dos centros de pesquisa, temas atuais como aplicações de sistemas modernos em biologia molecular, tais como CRISPR-Cas9, haptâmeros, ferramentas computacionais em biologia sistêmica e suas aplicações na Biologia Sintética. Na área da indústria foram contemplados temas como tecnologia de produção de laticínios e a bioprospecção para novas aplicações biotecnológicas. Ainda, a nanotecnologia, biorremediação e utilização de microorganismos como fonte de bioprodutos foram discutidos durante a semana.

A programação contou ainda com momentos de integração entre os participantes e a comissão organizadora no coquetel de abertura, na quinta cultural e na festa de encerramento do evento.

Diversos minicursos foram oferecidos abrangendo a aplicação de tecnologias como cultivo celular vegetal, produção de cerveja artesanal, sistemas de expressão em biologia molecular, imunoinformática, técnicas como RT-PCR e Cromatografias, além de biotecnologia forense e diagnóstico molecular para doenças renais.

Toda a programação pode ser conferida no site www.ivsembiotec.wixsite.com/site, assim como o download dos certificados do evento e dos minicursos.


NÚCLEO’16

Nos dias 15 a 21 de julho de 2016, na Universidade de Brasília, foi realizado o “II Encontro Nacional de Estudantes de Biotecnologia” que visou juntar todos os estudantes de Bacharelado em Biotecnologia, Técnicos em Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia ao redor do Brasil para discutirem e debaterem sobre diversos assuntos que são de interesse de ambos os cursos, como as diretrizes curriculares dos cursos, a regulamentação da profissão, a biotecnologia e o seu mercado de trabalho e o empreendedorismo em biotecnologia.

Além disso, foi realizado a organização de atividades de caráter científico, com enfoque nas diferentes disciplinas e assuntos importantes no meio biotecnológico, destacando os minicursos e as palestras que foram ministradas. Já no âmbito do entretenimento, vale destacar a ocorrência de atividades integrativas, como festas e “games” que visaram a criação de vínculos pessoais, não somente profissionais, entre os encontristas, tornando o evento mais descontraído.

Ocorreram decisões importantes para a afirmação do profissional em biotecnologia no cenário brasileiro, como a definição da cor, símbolo e juramento que são de fundamental importância para a identidade do curso. Alguns assuntos muito abordados nos debates promovidos pelo o evento foram a regulamentação da profissão de biotecnologista e a criação do Conselho Nacional em Biotecnologia, que já possuem o projeto de lei em trâmite, no entanto ainda apresenta muitos entraves jurídicos que impedem que o andamento do projeto de lei siga de uma forma mais rápida.

O NÚCLEO’16 contou, na sua programação científica, com cerca de 10 palestras, 9 minicursos, várias rodas de conversas e debates, e principalmente, mais de 200 participantes que demostraram durante esses dias de evento, o comprometimento e a luta para tornar a biotecnologia no Brasil cada vez mais unida, forte e atuante.


Criado novo curso pela USP: Bacharelado em Biotecnologia

De acordo com a ONU, Biotecnologia significa qualquer aplicação tecnológica que utilize sistemas biológicos, organismos vivos, ou seus derivados, para fabricar ou modificar produtos ou processos para utilização específica (ONU, Convenção de Biodiversidade 1992, Art. 2).

Visto isso, uma das principais e respeitadas instituições de ensino do Brasil, a Universidade de São Paulo (USP), percebeu a importância que a área de Biotecnologia tem para o desenvolvimento do país e decidiu criar um curso que formasse novos biotecnologistas para atender ao mercado de trabalho, colaborando para o atendimento da Política Nacional de Desenvolvimento da Biotecnologia.

O Bacharelado em Biotecnologia foi aprovado pelo Conselho Universitário em julho de 2017 e, no ano de 2018, ofereceu 60 vagas no período diurno, sendo 18 para estudantes que participaram do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e 42 para os que fizeram o vestibular Fuvest.

A primeira turma de Biotecnologia, formada por 60 estudantes, participou da aula inaugural do curso – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

O curso visa à formação de um profissional multidisciplinar que pode atuar nas diversas áreas de pesquisa e em empresas de biotecnologia. Com habilidades científicas e de empreendedorismo, pode trabalhar na produção de vacinas, fármacos, anticorpos e biocombustíveis. Além disso, o biotecnologista tem a oportunidade de trabalhar com agropecuária, desenvolvendo plantas mais resistentes a pragas ou doenças, e melhorando geneticamente rebanhos. Na parte ambiental, pode desenvolver métodos para detectar poluentes na água ou no solo e tratar áreas contaminadas.

Esta atitude da USP é de extrema importância para a biotecnologia brasileira, visto que abrirá portas para a formação e reconhecimento de profissionais biotecnologistas. E a LiNA biotec não ficará por fora disto, pois já percebeu o potencial deste novo curso e está estabelecendo contato, para que estes graduandos possam participar da unificação dos biotecnologistas promovida pela Liga.


#Regulamentabiotec

#Regulamentabiotec

O evento intitulado de “#Regulamentabiotec” foi criado para concretizar o desejo da aprovação do projeto de lei 3747/2015 que se encontra, atualmente, em trâmite na Câmara dos deputados e que se aprovado, regulamentará a profissão do biotecnologista. Idealizado pela Liga Nacional dos Acadêmicos em biotecnologia (LiNAbiotec), um dos principais pilares da luta pelo reconhecimento do biotecnologista, o “#Regulamentabiotec” é um acontecimento que conseguiu mobilizar, em pouco tempo, cerca de 4,2 mil pessoas, dentre elas, alunos, profissionais de biotecnologia e todos aqueles que desejam que o projeto de lei mencionado acima seja aprovado.

De forma massiva, o evento, iniciado em 8 de dezembro de 2016, foi divulgado nas redes sociais com o intuito de agregar cada vez mais simpatizantes para a divulgação da hashtag “#Regulamentabiotec” e, também, chamar atenção do público em geral para a importante atuação e forte presença do biotecnologista nos setores da economia. Além disso, o movimento objetivava que o projeto de lei fosse notado pelo deputado Hiran Gonçalves, na época, presidente da Comissão de Seguridade Social e Família(CSSF). Como resultado, um relator foi indicado para o projeto de lei, destacando a força da movimentação dos profissionais e graduandos em biotecnologia no Brasil inteiro.

Em 16 de março de 2017 o evento foi realizado novamente, sob o título “Regulamenta biotec – O alvo agora é outro!”. A data foi escolhida por fazer alusão aos 3 meses que se efetivaram desde a designação do relator do projeto, além de o processo estar a mais de um ano parado na CSSF. O intuito dessa vez era chamar atenção do deputado relator Luciano Ducci e pedir apoio a ele e a outros nas redes sociais para que o projeto prosseguisse. Os resultados se mostraram extremamente positivos, visto que o deputado se sensibilizou com a causa, dando o parecer e indicando as modificações necessárias que o projeto teria que receber para que houvesse mais chance de ser aprovado pela comissão.

No dia 11 de maio de 2017, foi realizada uma “versão relâmpago” do “#Regulamentabiotec”, cujo título foi “Biotecnologista é graduado em Biotecnologia”. O evento foi realizado como um esclarecimento por meio do Facebook ao parecer do deputado Luciano Ducci, o qual afirmava que profissionais que cursaram uma graduação correlata eram biotecnologistas. Em um primeiro momento, não ficou claro ao deputado que há o desejo de se criar uma identidade e reconhecimento àqueles que se graduam em biotecnologia, sem retirar o direito de outros profissionais de atuarem nesta área. Posteriormente, o deputado compreendeu a mensagem através da mobilização feita na rede social e foi bastante solícito aos reivindicadores.

A última edição do “#Regulamentabiotec” foi realizada no dia 6 de agosto de 2017, sob título “Pelo direito de existir!”. A edição foi proposta para pressionar a CSSF a adicionar o projeto de lei 3747/2015 à pauta de suas reuniões, já que somente outros projetos foram escolhidos a serem discutidos. O que se conseguiu a partir desta edição foi justamente o que se objetivava, porém a reunião aconteceria na semana seguinte e contou com a ilustre presença de membros da LiNAbiotec – polo UnB.”

Mesmo finalizada a última edição, as reivindicações não param por aí. A luta por uma biotecnologia unida, forte e atuante continua e o papel da LiNAbiotec é de extrema importância para isto.


Biotech Day

No dia 30 de Junho é comemorado o dia do profissional em Biotecnologia e foi escolhido por ser a data de nascimento de Paul Berg, considerado o pai da Biotecnologia Moderna. No ano de 2016, os alunos do curso de Biotecnologia da Universidade Federal de Uberlândia decidiram comemorar a data divulgando o curso ao público. Eles foram para uma das praças mais movimentadas da cidade, a Tubal Vilela, durante a tarde, e no início da noite no Parque do Sabiá. Lá eles, educadamente, abordaram pessoas que estavam sentando, conversando ou esperando alguém ou transporte, se dividiram em grupos e procuravam por pessoas que aparentemente se interessariam em conversar e conhecer um pouco sobre o que é a Biotecnologia. Basicamente, a conversa girava entorno de quatro simples perguntas: 1- Você sabe o que é Biotecnologia? 2- Você já comeu DNA hoje? 3- Qual a sua opinião sobre transgênicos e 4- Você sabe que dia é hoje? Seguida de entrega de alguns panfletos.

A porcentagem de pessoas que responderam corretamente a primeira pergunta foi baixa, o que indica que devemos continuar promovendo eventos como este, para que não só os empresários, mas sim estudantes e pessoas interessados em atualidades, nos conheçam e saibam o que nós somos capazes de fazer.

Ao ser indagadas segunda pergunta, as pessoas geralmente se assustavam. Há uma falsa ideia de que somente humanos possuem material genético, algumas pessoas lembram da carne, mas a maioria delas se esquecem das frutas e vegetais.

A terceira pergunta é sempre um caos! Ninguém conhece, mas a mídia já fez questão de colocar na mente da população que: “Comer alimentos transgênicos faz mal e pode dar câncer. ” É claro que os alunos explicaram da forma mais simples possível, o por quê um alimento transgênico é gerado, os benefícios deste e acabaram com o mito de que o DNA incorporado ao transgênico pode ser incorporado ao seu quando você o comer.

Quanto chegava-se a última pergunta diziam que: “Hoje, 30 de Junho, é comemorado o dia do profissional em Biotecnologista, e é este o motivo de nós estarmos aqui, compartilhando este momento com vocês. “

Entre cada pergunta do roteiro, que os alunos fizeram, mais perguntas, por parte dos entrevistados surgiam, isso mostra interesse em conhecimento biotecnológico. A conversa terminava com um agradecimento dos alunos pelo tempo e atenção dos participantes.

“Eu gostei bastante. Foi ir direto às pessoas, que eram de todas as classes sociais, de todas as idades, e conversar sobre Biotecnologia. Dava para ver a opinião de todas que paravam pra conversar, umas não faziam ideia do que era, outras apoiavam e outras tinham até um certo receio com transgênicos. Foi muito bom conversar com elas, com algumas foi possível tranquilizar a respeito desse receio, foi possível informar e dar a elas uma informação nova, e ainda foi possível se surpreender com algumas pessoas, que não só sabiam o que era, mas que discutimos o assunto por vários minutos” Relato do discente Ian Paniago.

Acredita-se que a maioria das pessoas entrevistadas ficaram conhecendo a biotecnologia, compreenderam que todos os organismos vivos possuem material genético e entenderam que a ingestão de transgênicos não faz mal à saúde.

“Eu gostei muito de ter participado! Contudo, grande parte da população não tem interesse. Acho que a praça não foi um lugar bom para ter feito o evento, acredito que se tivéssemos ido em escola, cursinho, faculdade particular, teríamos um público mais interessado, abrangido um número maior de pessoas e assim seria mais proveitoso” Diz a estudante Camylla Medeiros

Foi uma grande e satisfatória experiência para os alunos de Biotecnologia, que conseguiram visualizar o curso de uma forma mais didática. Poder passa-la a diante é como doar algo bom.

“Foi muito boa a experiência. Entrar em contato com as pessoas e poder divulgar o curso que eu amo, mas quase ninguém conhece. Achei muito interessante poder explicar coisas tão básicas pra gente para outras pessoas e até mesmo esclarecer alguns pontos, principalmente na área de transgenia.” Resposta da participante Layssa Giaretta

#biotecporamor <3

Organização: Heitor Cappato e Mariana Vianna Participantes: Bruna Mundim, Camylla Medeiros, Daniel Martins, Geyssica Ferreira Ian Paniago, Isabel de Sá, Isadora Uehara, Larissa Caroline, Layssa Giaretta, Letícia Leandro, Letícia Lonardoni, Luana Feliz, Natália Tavernelli, Sávio Borges, Serena Malta.

Biotech Day June 30th


I Semana de Integração da Biotecnologia – UnB

I Semana de Integração da Biotecnologia – UnB

Nos dias compreendidos entre 29 de abril a primeiro de maio, 2015, foi realizado o primeiro evento de cunho acadêmico organizado por graduandos de Biotecnologia da Universidade de Brasília em parceria com professores do Instituto de Ciências Biológicas. A SeIBit (Semana de Integração da Biotecnologia) foi criada no intuito de divulgar o curso para os mais diversos alunos e docentes da universidade, bem como ampliar o conhecimento dos estudantes acerca das variadas vertentes da Biotecnologia.

A SeIBit contou com minicursos como o de Cultura de Tecidos de Plantas, em que os estudantes tiveram a oportunidade de conhecer técnicas de micropropagação de tecidos vegetais e suas aplicações. Os minicursos de Nanobiotecnologia e de Cerveja se mostraram um sucesso com aulas práticas e uma etapa de degustação dos fermentados.

Preparo do meio de cultura para micropropagação de tecidos vegetais no Laboratório de Cultura de Tecidos.

Preparo do meio de cultura para micropropagação de tecidos vegetais no Laboratório de Cultura de Tecidos.

Também fizeram parte do evento palestras dos mais diversos temas, dentre eles Fármacos na Neurologia, Biotecnologia na Petrobrás, Metagenômica, e Melhoramento Nutricional.

 

Abertura das palestras com a Professora Márcia Mortari, pesquisadora na área de desenvolvimentos de fármacos contra doenças neurodegenerativas e neurológicas, em especial Doenças de Parkinson, Alzheimer, epilepsia e distúrbios de ansiedade.

Contamos também com convidados ilustres como o professor Spartaco Astolfi, pioneiro da engenharia genética no Brasil, bem como o professor Luiz Antônio Barreto de Castro, forte atuante no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, na CTNBio e na Política Nacional de Biotecnologia do Brasil. Ambos ratificaram a grande importância da área no Brasil bem como a necessidade da integração de todos os seus profissionais sobretudo no que tange à luta por legislações mais favoráveis à carreira científica.

Encerramento da I Semana de Integração da Biotecnologia com o Professor Luiz Antônio Barreto de Castro. Ao final da palestra o professor promoveu uma discussão com os ouvintes acerca do futuro da Biotecnologia.

Encerramento da I Semana de Integração da Biotecnologia com o Professor Luiz Antônio Barreto de Castro. Ao final da palestra o professor promoveu uma discussão com os ouvintes acerca do futuro da Biotecnologia.

A organização da SeIBit faz, por fim, um agradecimento especial ao professor Fernando Araripe, por toda sua contribuição não apenas como orientador da nossa Semana, mas também por toda sua ativa participação no curso de Biotecnologia da Universidade de Brasília.

Professor Fernando Araripe, orientador da SeIBit e um dos idealizadores do curso de Biotecnologia da Universidade de Brasília.

 


Núcleo ’17

Em 2016, ocorreu o NÚCLEO’16 – ll Encontro Nacional dos Acadêmicos de Biotecnologia, na Universidade de Brasília (UnB).  Neste evento, foi tomada uma série de decisões importantes para nós estudantes de biotecnologia, das quais é válido destacar a escolha do juramento, bem como do símbolo e cor do curso. Outra decisão muito importante foi a de onde ocorreria o próximo encontro, o NÚCLEO’17.

Ano passado, o evento ocorreu na Universidade Federal da Bahia (UFBA), no período entre final de julho e início de agosto. Todo o evento teve uma temática voltada para o mercado de trabalho, visto que essa é uma das maiores problemáticas dos profissionais de biotecnologia. Assim como o NÚCLEO’16, haverá minicursos, palestras, mesas redondas, fóruns e exposição de trabalhos. Entretanto, os organizadores prometem um evento totalmente diferente dos anteriores.

Além disso, em todo o evento foram evidente os toques da cultura baiana, pois um dos vários objetivos é apresentar a cultura do pólo que sedia o evento Núcleo. Dessa forma, esperamos que você, estudante e egresso de curso de biotecnologia, tenha podido prestigiar este evento cuidadosamente pensado para a nossa realidade e também para participar da história da formação do profissional em biotecnologia no Brasil.